Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto 21, 2011

No dia do meu funeral

No dia em que levarem meu corpo morto
não penses que meu coração ficará neste mundo.
Não chores por mim, nada de gritos e lamentações
lembra que a tristeza é mais uma cilada do demônio.

Ao ver o cortejo passar, não grites: ‘ele se foi’
Para mim, esse será o momento do reencontro.
E quando me descerem ao túmulo, não digas: ‘adeus’
A sepultura é o véu diante da reunião no paraíso.

Ante a visão do corpo que desce
pensa em minha ascensão.
Que há de errado com o declínio do sol e da lua?
O que te parece declínio, é tão somente alvorada.

E ainda que o túmulo te pareça uma prisão,
e é ele que liberta a alma.
Toda semente que penetra na terra, germina.
Assim também há de crescer a semente do homem.

O balde só se enche de água
se desce ao fundo do poço.
Por que deveria José do Egito
reclamar do poço em que foi atirado?

Fecha a tua boca deste lado
e abre-a mais além.
Tua canção triunfará
no alento do não-lugar.

Extraído do livro: Poemas Místicos - Jalaludin RUMI (1207 – 1273)