Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2018

Encontro de Almas

"Vem... Conversemos através da alma, Revelemos o que é secreto aos olhos e ouvidos. Sem exibir dentes, Sorri comigo como uma rosa. Entendamo-nos por pensamentos, Sem língua, sem lábios. Sem abrir a boca, Contemo-nos todos os segredos do mundo, Como faria o intelecto divino. Fujamos dos incrédulos, Que só são capazes de entender Se escutam palavras e vêem rostos. Ninguém fala para si mesmo em voz alta. Já que somos todos um, Falemos desse outro modo. Como podes dizer à tua mão: 'toca', Se todas as mãos são uma? Vem, conversemos assim. Os pés e as mãos conhecem o desejo da alma... Fechemos, pois, a boca e conversemos através da alma. Só a alma conhece o destino de tudo, passo a passo. Vem... Se te interessas, posso mostrar-te".
Do livro: Poemas Místicos – Jalal Ud-Din Rumi.

O Mercador e o Pássaro

Era uma vez, um mercador que mantinha um pássaro preso em uma gaiola de ouro. Quando estava para ir a Índia em uma viagem de negócios, disse ao pássaro:  "Estou indo a sua terra natal. Você tem alguma mensagem para os seus parentes?"
"Diga-lhes que estou bem e que vivo em uma gaiola de ouro" - disse o pássaro.
Quando o mercador retornou, disse ao pássaro: 
Eu lamento dizer que tão logo encontrei os seus parentes selvagens e informei da sua condição, o choque foi muito forte para um deles - logo que ouviu a notícia, ele caiu de um galho e não tenho dúvidas que morreu" 
Imediatamente, o pássaro teve um colapso e caiu morto, no chão da sua gaiola.
Penalizado, o mercador tirou o pássaro da gaiola, colocando-o do lado de fora, no jardim. Imediatamente, o passaro, que havia entendido a mensagem do seu parente selvagem, voou para longe do alcance do mercador.
Blog: www.caravansarai.com.br


O Sábio...

(...) No dia da Ressurreição, se Deus glorioso interrogar-me assim: 'ó tu que pareces cansado e oprimido, o que trouxeste do caminho que percorreste?' Eu responderei: 'ó Senhor, o que se pode trazer de uma prisão? Eu venho da prisão do mundo, onde estava afundado na desgraça; cheguei aqui estupefato, completamente perdido, da cabeça aos pés. Não tenho mais que vento nas mãos, eu sou o pó da soleira da Tua porta; sou teu escravo e o prisioneiro do Teu caminho. Espero que não me vendas e que me cubras com o Teu manto sagrado, sou Teu servo!"' 

"Eu sei que Tu me purificarás de toda mancha e unirás minhas cinzas à Tua submissão. Quando meu corpo estiver escondido na poeira e sob a laje da tumba, tem a bondade de não te ocupar nem do bem, nem do mal que eu possa ter feito... Uma vez que que me criaste pela graça, deves perdoar-me pela graça."   

Do livro: "A Linguagem dos Pássaros" - ATTAR, Farid ud-Din (Attar editorial).

Only Love, in Daria Nur...

O Guru

Um buscador da verdade do Ocidente, partiu em viagem para o Oriente, portando varias fotografias que um amigo lhe havia enviado, de um 'suposto mestre espiritual'. Para tornar a busca mais fácil, o amigo lhe enviou oito fotografias do mesmo 'homem', só que de ângulos diferentes.

Eram tantos, era uma multidão de 'supostos místicos' naquelas bandas, que algumas semanas depois, o amigo recebeu um cartão postal do amigo viajante, 'buscador', com os seguintes dizeres: 

"Caro amigo, já localizei sete dos 'grandes mestres' das fotografias enviadas por você e fui elevado espiritalmente por eles, acredito que estou bem perto de encontrar o oitavo". 

Do livro: O Buscador da Verdade - Coleção Filosofia Viva - Idries Shah (Ed. Tabla).

A Canção de Yunus

Yunus Emré, em tempos muito antigos, inventou contos mais duráveis que a memória de sua própria vida. Foi também um incansável buscador da verdade. Aos vinte anos aproximadamente, ou talvez mais jovem ainda, veio-lhe ao coração uma avidez pelo conhecimento que o levou pelos caminhos do mundo. Ele partiu na esperança que essa sede de saber o conduzisse a um mestre que o iluminasse. Esse mestre foi-lhe dado encontrar depois de dez anos de errância miserável, no grande vento de uma colina, em plena estepe da Anatólia. Chamava-se Taptuk e era cego. Taptuk também havia viajado muito, mas por caminhos diferentes dos de Yunus. Adolescente ainda, raspou sua cabeça e sobrancelhas e vestindo um gorro de feltro vermelho foi combater invasores mongóis. Atravessou tantas derrotas quantas efêmeras vitórias. Cavalgou com o sabre entre os dentes, perseguindo homens tão loucos quanto ele. Odiou, pilhou, matou, cem vezes perdeu e encontrou sua alma no furor dos combates, até que finalmente o silencio se …

Aqueles que sabem conta para quem não sabe

A fama de sábio do Nasrudin se espalhava, até que um dia o convidaram para proferir um sermão no templo. 
No dia combinado, uma sexta-feira, dia das orações, Nasrudin subiu ao púlpito e disse: "Boa noite, vocês devem saber sobre o que eu vou falar aqui hoje?" "Não, não sabemos." - disseram. "Então, vocês são um bando de ignorantes, como posso ensiná-los algo?", e assim o Mullá não disse mais nada e se retirou. Depois desse episódio, os moradores do vilarejo, um pouco  envergonhados, foram até sua casa de Nasrudin e lhe pediram para que voltasse na sexta-feira seguinte, para ensinar as pessoas:  "Dessa vez a congregação estará mais preparada para ouvir seus ensinamentos". Nasrudin concordou e na semana seguinte disse: "Boa noite, vocês devem saber sobre o que eu vim falar?" "Sim, nós sabemos." - disseram todos! "Nesse caso, o que eu posso dizer, se vocês já sabem tudo? Não precisam de mim." - disse Nasrudin e deixou o local. Na…

O Mestre da Opção

Três jovens tendo cada um escutado sobre a grande santidade e as maravilhas feitas pelo Mestre Kilidi, tiveram a oportunidade de se conhecerem quando iam para a residência dele. Viajando junto eles discutiram sobre aquilo que eles sabiam sobre o caminho e suas dificuldades. “Sinceridade para com seu mestre é essencial” – falou o primeiro jovem – “e eu deverei me concentrar sobre isso se eu for aceito como um estudante, para eliminar meu vil egoísmo”. “Sinceridade” – falou o segundo – “certamente significa completa obediência, mesmo quando provocado a se rebelar. E eu certamente me guiarei por isto. Mas obediência também significa evitar hipocrisia – desejando internamente em desobedecer – e inclui generosidade sem orgulho. Isto eu tentarei”. “Sinceridade evitando o egoísmo servil, obediência, desprendimento da hipocrisia, generosidade” – falou o terceiro – “estes são essenciais. Mas, eu escutei dizer que se o discípulo enxertar essas coisas no topo de seu eu inalterado, elas simple…

Layla e Majnun

Essa é uma história sobre dois jovens. Ela se chama Layla e ele era chamado de Qays. Mas, ficaria conhecido por toda a eternidade como Majnun, “o louco.” ...


Uma noite, Majnun cavalgava errante com seu camelo e de repente avistou um grupo de mulheres lindas, entre elas estava Layla, a mulher por quem Majnun dedicaria o resto da sua existência e bastou um olhar para causar um efeito devastador em Majnun, que se apaixonou perdidamente. Ele acompanhou as mulheres no banquete ao qual elas se dirigiam e ofertou o seu camelo em contribuição para o festejo. Layla também estava apaixonada e Majnun decidiu pedir sua mão em casamento.
Porém, o que eles não sabiam é que o pai de Layla já a tinha prometido para um outro homem e o casamento só não havia sido realizado, porque o noivo, Ibn-el Salaam, achava que Layla ainda era muito jovem.
Ao saber disso, Majnun desespera-se e larga tudo, passando a viver junto aos animais selvagens. Durante esse período escreve poemas sempre exaltando seu amor por La…

O Filho do Contador de Histórias

Era uma vez um contador de histórias que pertencia a uma antiga linhagem de bardos, cuja tradição era preservar e relatar histórias de tempos remotos, na corte de um certo Rei. Ele tinha orgulho de sua antiga linhagem, da extensão de seu repertório e do grau de sabedoria que havia em seus contos, usados como indicadores do presente, como registros do passado e como alusões tanto das coisas do mundo dos sentidos, quanto das do mundo que existe além das aparências. Mas, na corte existiam também outros especialistas de todos os tipos, como é útil e natural. Havia chefes militares, cortesãos, conselheiros e embaixadores; haviam engenheiros especializados em construção e demolição, homens religiosos e de outros tipos de sabedoria: em resumo, havia pessoas de todos os tipos e condições e cada uma delas se julgava melhor do que todas as outras. Um dia, quando houve uma longa disputa a respeito da precedência entre esses dignos personagens, a única conclusão a que puderam chegar foi que de todos…

O Cavalo Mágico

Um rei tinha dois filhos. O primeiro ajudava as pessoas, trabalhando da maneira que elas compreendiam. O segundo era chamado de preguiçoso porque, na opinião de todos, era sonhador.
O primeiro filho recebeu grandes honrarias em sua terra.
O segundo recebeu das mãos de um humilde carpinteiro um cavalo de madeira, e o montou. Porém, o cavalo era mágico. Levava o cavaleiro, se fosse sincero, na direção do desejo do seu coração. Em busca do desejo de seu coração, o jovem príncipe um dia desapareceu em seu cavalo.
Esteve ausente muito tempo e, depois de muitas aventuras, regressou com uma bela princesa que vinha do país da Luz. Seu pai louco de alegria ao vê-lo retornar são e salvo, escutou a história do cavalo mágico.
O cavalo foi colocado à disposição de quem quer que o desejasse naquele país, mas muitas pessoas preferiam os benefícios óbvios oferecidos pela ações do primeiro príncipe porque, para eles, o cavalo continuava sendo um brinquedo. Nunca viram além da aparência externa do cava…

O Príncipe o Mestre e a Águia

Era uma vez uma rainha cujo marido havia morrido quando o seu filho tinha somente 05 anos. Ela foi então nomeada regente do reino até que seu filho completasse a idade adulta e fosse capaz de governar. O único defeito da rainha era que amava demasiadamente seu filho, Hassan, e lhe permitia fazer qualquer coisa que desejasse. E assim, apesar de ser uma boa monarca, seu filho ficava mais e mais teimoso e cheio de caprichos à medida que crescia.
Um dia a rainha chamou seu grão-vizir e lhe disse: “Diga-me francamente o que posso fazer com meu filho. É insolente, orgulhoso e muito difícil de controlar. Que posso fazer para corrigir os seus defeitos agora, antes que seja demasiado tarde? ” O vizir respondeu: “Coloque o príncipe aos cuidados de um mestre, e assim ele poderá adquirir sabedoria. ” “Onde há um mestre que possa ajudar meu filho?” – Perguntou a rainha. “Neste momento se encontra na cidade um velho homem sábio. Irei falar-lhe, direi que o príncipe necessita de seu ensinamento, e tal…