Pular para o conteúdo principal

O velho, o menino e o burro

Conta tradição antiga
Que um velho camponês
Precisando de dinheiro
Em certa altura do mês
Manda o filho caçula
Buscar o burro ou a mula
Para vender dessa vez.

O menino vem ligeiro
Trazendo o belo burrinho,
Seguiram os três pra cidade
Logo de manhã cedinho
Ninguém montou no animal
Pra ele não dar sinal
De cansaço do caminho.

Porém numa curva da estrada 

Viram um viajante que disse: 

“Que besteira, o animal 
Vai vazio e o pobre velho 
Senil vai a pé na caminhada
Vejam, só, que asneira... 
É promessa ou penitência?”

E o velho lhe deu razão e foi no burro montando
E o menino puxando, na mais pura inocência.
E foi dizendo o velhote:


“Só assim ninguém reclama
E tapo a boca do mundo!”


Logo à frente as lavadeiras
Lavando nas corredeiras

Gritaram: 

“Mas que burrama!”

"Um marmanjão com saúde
Muito contente montado
E um pobre menininho
Puxando o burro! Ah, malvado!...

Este mundo está perdido
Desça daí seu bandido
Que o menino está cansado!”

Depois dessa, o pobre velho
Indignado acenou
E na garupa do burro
O seu menino montou
E disse ali sem demora:


“Quero ver quem fala agora!?”
E o seu caminho continuou...

Mas não deu nem dez minutos
Desponta ali na frente
Montado na bicicleta
Um roceiro e diz: 


“Oxente!
O pobre desse animal
Não vai chegar ao final
Com esse peso em dia quente!”

Disse isso e foi-se embora
E o velho concordando
Desce, deixando o menino
E sai na frente puxando...


Mas, encontra outro sujeito
Que ao menino curva o peito:


“Majestade!” O vai saudando.

Logo pergunta o menino:


“Por que falas: majestade?”


“Porque somente os príncipes
Tem servo na tua idade
Puxando as montarias
Não fosses rei não terias
Lacaio à tua vontade!”

“Lacaio, eu?” – Diz o velho. 

“Mas que grande desaforo!
Desça ligeiro menino
Pra não ouvir este coro
Vamos com o burro nas costas
Pra ver se o mundo assim gosta
E não faça mais agouro"

E os dois com o burro nas costas
Qual estranho ritual
Encontram alguns rapazes
Que fazem tal carnaval, 

Gritando: 

“Vejam três burros
Só falta soltarem zurros
Quem é o mais burro afinal?”

E o velho responde: 


“Sou eu! 
Burro de orelha também
Querendo escutar o mundo
Sendo aconselhado além
Quem segue o mundo maluco
Vai morrer doido e caduco
Sem nunca agradar ninguém!”