Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2011

Deus é Mais Forte

Ibotity tinha subido numa árvore quando o vento soprou a árvore; a árvore se partiu, Ibotity caiu e quebrou a perna.
“A árvore é forte porque quebrou minha perna”, disse.
“O vento é mais forte do que eu”, disse a árvore.
Mas o vento disse que a colina era mais forte, já que ela podia parar o vento. Ibotity, é claro, pensou que a força estava na colina, porque ela podia parar o vento, o vento que partiu a árvore, a árvore que quebrou sua perna.
“Não”, disse a colina, enquanto explicava que o rato era mais forte, porque podia esburacar a colina.
“Eu posso ser morto pelo gato”, contestou o rato.
E assim Ibotity pensou que o gato deveria ser o mais forte.
“De jeito nenhum”, disse o gato, explicando que poderia ser apanhado por uma corda.
Ibotity achou que a corda devia ser a coisa mais forte. A corda, porém, explicou que podia ser cortada pelo ferro. Portanto o ferro era mais forte. O ferro, por sua vez, negou ser o mais forte, já que podia ser derretido pelo fogo.
Ibotity então pensou que o fogo …

O Ermitão

Durante o reinado do rei Mabdar viveu na Babilônia um jovem chamado Zadig. Era formoso, rico e naturalmente de bom coração. No momento em que esta história começa, ele estava viajando a pé para ver o mundo e aprender filosofia e sabedoria. Mas até esse momento tinha encontrado tanta miséria e suportado tantos e terríveis desastres que estava tentado a rebelar-se contra a vontade do céu e acreditar que a Providência, que rege o mundo, desdenhava o Bem e permitia que o Mal prosperasse. Neste triste estado de espírito estava ele caminhando um dia às margens do Eufrates. Por casualidade, encontrou um venerável ermitão cuja barba, branca como a neve, descia até a cintura. Em sua mão o ancião levava um rolo de pergaminho que lia com atenção. Zadig parou e fez-lhe uma reverência. O ermitão devolveu-lhe a saudação com um ar tão bondoso e tão nobre que Zadig sentiu curiosidade de falar com ele. Perguntou-lhe então o que ele estava lendo: “É o Livro do Destino”, Disse o ermitão. “Você gostaria de…

Oração da Luz

Ó Deus, dai-me Luz em meu coração
e Luz em meu túmulo.
Luz quando escuto e Luz quando estou vendo,
Luz na minha pele,
Luz no meu cabelo,
Luz na minha carne e Luz nos meus ossos,
Luz diante de mim; Luz detrás de mim,
Luz à minha direita; Luz à minha esquerda
Luz acima de mim, Luz debaixo de mim.
Ó Deus, fazei crescer munha luz
e dai-me a grande Luz do todo.
Ó Tu, Misericordioso, dai-me Luz.
Ó Tu o Mais Compassivo.
Ó, Cheio de Graça.

No dia do meu funeral

No dia em que levarem meu corpo morto
não penses que meu coração ficará neste mundo.
Não chores por mim, nada de gritos e lamentações
lembra que a tristeza é mais uma cilada do demônio.

Ao ver o cortejo passar, não grites: ‘ele se foi’
Para mim, esse será o momento do reencontro.
E quando me descerem ao túmulo, não digas: ‘adeus’
A sepultura é o véu diante da reunião no paraíso.

Ante a visão do corpo que desce
pensa em minha ascensão.
Que há de errado com o declínio do sol e da lua?
O que te parece declínio, é tão somente alvorada.

E ainda que o túmulo te pareça uma prisão,
e é ele que liberta a alma.
Toda semente que penetra na terra, germina.
Assim também há de crescer a semente do homem.

O balde só se enche de água
se desce ao fundo do poço.
Por que deveria José do Egito
reclamar do poço em que foi atirado?

Fecha a tua boca deste lado
e abre-a mais além.
Tua canção triunfará
no alento do não-lugar.

Extraído do livro: Poemas Místicos - Jalaludin RUMI (1207 – 1273)

O Diabo e a Velha

Era uma vez uma velha mulher que se dirigia do campo a cidade de Amam para visitar seu neto. Era verão, e no encalorado e poeirente caminho encontrou-se com um homem de semblante cansado e ao mesmo tempo sinistro, que se cobria com um capote negro.
"Bom dia", disse a mulher, porque não tinha nada melhor para falar e as pessoas do campo sempre se cumprimentam entre si.
"E um mau dia para a senhora!", respondeu o homem.
"Que modo bem educado de se falar com as pessoas"! Disse a velha senhora. "Que tipo de homem é você para falar assim aos filhos de Adão?".
"Eu sou Lúcifer! E odeio os descendentes de Adão".
A velha mulher não ficou nem um pouco assustada.
"E por que você está a caminho da cidade grande?" - perguntou a velha.
"Oh, tem muitas coisas que posso fazer num lugar assim". Disse o diabo.
"Você não parece tão diabo assim e creio que posso igualar qualquer coisa que você faça, a qualquer hora".
"Muito bem, …

O Vizinho

Um vizinhoda casa deNasrudintinha umcão que latiaa noite toda.


Nasrudincomprouo cão.


"Eu acho quevocê fez isso parase livrar dele, Mullah",disse um curioso.


"Nada disso!Por que eu deveriapagar para não ternada em troca?Terei o cãoem minha casa.Quero que o meu vizinho saiba o que significater um cãolatindo a noite toda."


Observaciones - Idries Shah

A Sopa da Sopa

Saído de algum lugar das profundezas do país, um parente veio visitar o Mullah e trouxe-lhe um pato de presente. Encantado, Nasrudin mandou cozinhar a ave e partilhou-a com o hóspede. Depois disso, entretanto, um conterrâneo depois do outro começou a visitá-lo, cada um deles dizendo ser amigo do amigo do “homem que lhe trouxe o pato”. Mas nenhum outro presente lhe foi oferecido.
Finalmente, oMullahexasperou-se. E, um dia, outro estranho apareceu.
“Sou amigo do amigo do amigo do parente que lhe trouxe o pato”.
E sentou-se, como todos os outros, esperando uma refeição. Nasrudin estendeu-lhe uma tigela de água quente.
“O que é isso?”
“É a sopa da sopa da sopa do pato que me foi trazido pelo meu parente”, disse-lhe Nasrudin.
Nota: A experiência espiritual não pode ser transmitida pela iteração, mas tem de ser constantemente refrescada na fonte. Inúmeras escolas continuam a operar muito tempo depois de exaurir-se a dinâmica real, passando a ser meros centros de repetição de uma doutrina progress…